Como vimos no post anterior, o colágeno é fundamental para a manutenção da saúde da pele e uma importante proteína para a sustentação do corpo, assegurando que articulações, cartilagens e ossos mantenham-se saudáveis e íntegros por mais tempo. 

Apesar de ser produzido naturalmente pelo organismo, a partir dos 25 anos a produção de colágeno começa a diminuir, especialmente nas mulheres, e a suplementação desta proteína é uma importante forma de prevenção de doenças que se agravam na terceira idade, como artrose e osteoporose, além do envelhecimento e enfraquecimento da pele, unhas e cabelos.

Mas, atualmente, é possível encontrar diversos tipos de suplementos disponíveis, que vão além da sua forma (em cápsulas, pó ou líquido). Entenda a diferença entre eles:

O colágeno hidrolisado (também conhecido como tipo 1) recebe este nome, pois passa por um processo de hidrólise, ou seja, a proteína extraída do osso e da cartilagem de animais (como bois e frangos) é quebrada em partículas menores para ser absorvida mais facilmente e ter melhor aproveitamento pelo organismo. É ideal para melhorar a firmeza da pele, além de fortalecer unhas e o cabelo.

Já o colágeno tipo 2 está presente em maior quantidade nas cartilagens e é fabricado por um processo não-enzimático, em temperaturas mais baixas, que não chegam a hidrolisar (quebrar) as partículas, garantindo assim a integridade da proteína. Por isso, é mais indicado para atletas (especialmente praticantes de esportes de alto impacto, na prevenção de danos nas articulações e lesões) e pessoas que sofrem com dores ou problemas nas articulações, como artrite reumatoide, artrose, osteoartrite e osteoporose, por exemplo.